Estudo de Idiomas

Estudo de Idiomas

Não é novidade para meus amigos e familiares que eu gosto de estudar idiomas. Entender o idioma de um povo é ser capaz de entender sua forma de pensar e, porque não, de agir também. Em minha humilde opinião, um idioma molda uma nação de diversas formas. A existência ou não de uma palavra para descrever um objeto, sentimento ou fenômeno pode acarretar em uma maneira totalmente distinta de ver o mundo e compreender as pessoas. Desde o ano passado passei a investir pesado em meu aprendizado de idiomas, com cursos e aulas online.

Comecei resolvendo um problema antigo: apesar de ler facilmente textos técnicos em inglês, a língua coloquial e os textos de jornais eram um horror para mim. Conversação, então, nem comento. Resolvi iniciar meus estudos focando neste aspecto e comecei estudando métodos para resolvê-lo. Invariavelmente, todos os métodos tinham um quesito que estava sempre no topo: não se aprende uma língua sem praticá-la com um nativo. Inicialmente, eu achei que era possível, sim, mas quebrei a cara.

Apesar de entender muito bem o que nativos falavam, eu não conseguia disparar uma conversa fluida, pois meu cérebro não estava preparado para isso. Ele estava preparado para ouvir e entender, mas o trabalho de formar frases inteiras e verbaliza-las é totalmente diferente e eu comprovei isso na prática. Foi aí que eu tomei vergonha na cara e comecei a ter aulas via Skype.

Minhas primeiras aulas foram com uma brasileira que vive em New York. Foram excelentes classes, mas fiz apenas 7. Depois disso, encontrei o site italki. Por lá, passei a marcar classes com professores nativos da Inglaterra, Estados Unidos e Espanha. Sim, também estou aprendendo espanhol! A diferença foi enorme. Conversar com um nativo é, de diversas formas, diferente de conversar com um brasileiro fluente em inglês. A conversa vem carregada de um histórico cultural que enriquece substancialmente sua vida.

Você aprende o idioma e junto leva de brinde um montão de informações culturais e forma de pensar de um nativo. Não é só que vale a pena, eu digo que é a forma mais eficiente e vibrante de se aprender um idioma. Já tenho planos para aprender francês, alemão e mandarim. Tudo em seu tempo!

Para finalizar esse texto, lhes convido a estudar idiomas também. É fascinante, juro! E fica a dica do italki, onde você encontra diversos professores mundo à fora. Ah! Se for usar o italki, na moral, clica nesse link aqui! A cada crédito que você coloca lá, eu ganho mais 50 aqui. Ajuda seu amigão aqui a aprender todos os idiomas do mundo! Por favor! 😛

×