Futuro do Alfred


Conforme informei no post anterior, tive uma boa recepção dos desenvolvedores que viram a notícia no BR-Linux e enviaram suas críticas e sugestões sobre o Alfred. Alguns criticaram a forma como a biblioteca foi programada, usando apenas métodos estáticos.

Cabe a mim explicar o motivo desta escolha. Não foi por desconhecer Orientação a Objetos, aliás, eu adoto este paradigma de programação a mais de 5 anos, seja programando em Java, C++ ou C#.

A adoção de métodos estáticos é devido à própria natureza da biblioteca. Eu diria que está relacionado à filosofia que eu pensei inicialmente para este projeto. A ideia inicial era ter uma biblioteca super simplificada. Não imaginei que sua utilização fosse com Composição de objetos ou herança.

Por exemplo, a ideia era que você não usasse a classe Telefone como um atributo de alguma classe, mas que se você precisasse, pontualmente, de uma formatação de telefone, usasse um método bastante simples de ser adotado.

Claro, em um mundo O.O. isto pode parecer estranho, mas admito que fui influenciado pelo projeto do Aurélio, o Funções ZZ. A filosofia por trás é a KISS: Keep It Simple and Stupid. E a forma mais simples que achei para a biblioteca foi esta.

E você? Concorda? Acha que a biblioteca deveria seguir outro rumo e adotar um modelo mais orientado a objetos? Dê sua sugestão, a biblioteca seguirá o rumo que a maioria achar melhor.

×