Conhecimento Livre

Já tem algum tempo eu venho comentando com colegas próximos uma mudança na direção dos ventos. Não sei se apenas na área de informática, mas como é nesta que atuo, posso falar com propriedade apenas dela. Vamos lembrar um pouco como eram os ventos um tempo atrás. Com meus 33 anos de idade e um pouco mais de 10 anos atuando em desenvolvimento de sistemas, posso emitir alguma opinião de valor. Eu acho.

Lembro o quanto era importante ler livros, atualizar-se com relação às novas tecnologias, ter uma pós-graduação, um mestrado… e algo mudou com relação a isto? Claro que não. O conhecimento sempre será necessário. Nunca será dispensável. Contudo, havia um comportamento com relação a como este conhecimento era, não sei se esta é a palavra correta, gerenciado: simplesmente, o conhecimento era seu. Para repassá-lo a outra pessoa, era preciso receber diretamente desta pessoa algo em troca. Dinheiro? Sim. Favores? Também. E o quê mais? Sei lá. Qualquer coisa. O importante era o escambo. Eu lhe repasso meu conhecimento e você me dá algo em troca.

Você vai me dizer: “e isto mudou, seu maluco? Desde quando eu vou perder meu tempo estudando para simplesmente lhe repassar isto que estudei para você de graça? Lá vem você com ideias comunistas. Vivemos em um mundo capitalista!“. Mas, será? Será que a corrente do software livre já não nos trouxe algum ensinamento quanto a isto? Acredito que você deve mudar sua forma de pensar e eu quero lhe explicar os motivos pelos quais eu acredito firmemente nisto.

Primeiro, minha crença principal. Eu diria que até mesmo um dos meus ideais de vida: o que eu sei eu quero compartilhar com todos. Não tenho o mínimo interesse em reter conhecimento. E, para minha felicidade, vejo que o mundo caminha nesta direção. Você já pensou que o seu diferencial competitivo no mundo atual não seja reter conhecimento mas compartilhá-lo com o maior número de pessoas possíveis? Quanto mais pessoas você abranger, quanto mais você for conhecido por disseminar ideias, maior será sua reputação. Eis, talvez, conforme me foi sugerido por Serge Rehem, a sua moeda de troca no mercado atual. Contudo, não quero me ater apenas às questões de competitividade no mercado. É uma área abrangente e não me sinto com conhecimentos suficientes para ter uma opinião bem fundamentada nesta área.

Mas, isto não me impede de poder arriscar o palpite acima. Talvez você ser um disseminador de conhecimentos seja realmente seu diferencial. Será que isto faz algum sentido? Vamos pensar um pouco juntos. A maioria das revistas especializadas na área não lhe pagam para você publicar seu artigo nelas. O retorno é a reputação. A maioria dos congressos em que você pode ser chamado a palestrar não lhe pagam por isto. O retorno é a reputação. Publicar suas ideias em seu blog não lhe dá dinheiro. Mas reputação, sim. Tuitar suas ideias muito menos. Publicar em sites especializados também. Manter sites especializados então, só dá trabalho, diria você. A algum tempo atrás você se perguntaria para quê fazer tudo isto se não terei nada em troca? É perder tempo.

Eu não penso desta forma. Os ventos mudaram de direção. Será que hoje poderei alçar voos maiores em minha carreira se eu adotar esta nova postura? E eu lhe pergunto: se você fosse um empregador e tivesse em suas mãos dois currículos. Um de 3 páginas, contendo dezenas de participações como ouvinte em palestras, pós-graduação e afins. Outro com uma linha. Um nome apenas. Um nome que você vê todos os dias em sites especializados. Um nome que certa vez lhe ajudou a tirar uma grande dúvida com um artigo em uma revista especializada. Um nome que está na lista de blogs que você acompanha. Um nome que você segue no twitter. Eu não teria dúvidas. Este seria o cara para trabalhar comigo. Sua reputação diria tudo para mim.

Mas, conforme eu já comentei, não me sinto tão à vontade para tratar estas questões de mercado. Talvez eu tenha falado um monte de bobagem logo acima. Mas foi só meu ponto de vista e espero que você entenda isto. O importante para mim com este post é lhe fazer um apelo que vai além de questões de mercado: seja um disseminador de ideias. Compartilhe constantemente seu conhecimento. Retê-lo não lhe trará grandes vantagens. E acredito firmemente que o mundo caminha em uma direção contrária a isto. Utilize-se das melhores ferramentas disponíveis para isto e o faça da melhor forma que você conseguir. Não sabe palestrar? Mas talvez saiba escrever artigos para revistas. Não tem o dom da escrita? Talvez saiba fazer vídeos explicativos. Sempre existirá uma forma de você aparecer para o mundo. E, acredite ou não, é apenas compartilhando suas ideias e seus conhecimentos que você poderá mudar o mundo. Para melhor, eu espero.

E você? O que acha sobre tudo isto? Escrevi só bobagens? Concorda? Deixe seu comentário e compartilhe suas ideias! 🙂